Prólogo.

     Ele estava cansado.

Já havia passado tanto tempo que nem tinha dado conta. Estava parado, de pé, forçando a memória a lembrar de coisas que já estavam quase perdidas.

De fato, havia passado tempo demais.

Encostou a mão em uma das paredes de pedra alaranjadas, perfeitamente esculpidas pela chuva e pelo vento.

Esculpidas também pelo tempo. E por algo mais, ele sabia.

A iluminação abundante vinha das laterais e de cima. Entrava em feixes de todos os tamanhos, fortes, vindos de um céu azul sem nuvens e sol escaldante. Ele podia ver as partículas dançando em cada risco de luz.

Era um lugar enorme, um grande salão natural.

Suspirou e foi sentar em outra pedra, que era larga o suficiente para acomodar uma pessoa. Então, no caminho, ele atravessou uma pequena ponte, também rochosa, que ficava acima de um lago.

Um lago que não era feito de água.

Depois que conseguiu sentar, notou que uma parte da atadura que usava estava solta. Ele a amarrou com mais força em torno do peito e do ombro.

Ela cobria algo escuro.

Ele Já tinha acostumado com a dor. Ela era a sua única companhia e essa era a verdade.

Ah, não havia mesmo o que fazer.

Sobre tudo. Então ele deitou na pedra, se distraindo com a imensidão daquele lugar solitário. E não havendo o que fazer, restava apenas a dádiva de fechar os olhos e adormecer.

E naquele cenário perdido, ele dormiu. Pela primeira vez, desde aquele dia.

O dia que tempo algum apagaria de sua lembrança…


a ferida da terra_capa

Autor: Bruno Haulfermet

Wattpad: @brunohaulfermet

Facebook: Escritor Bruno Haulfermet

Instagram: @escritorbruno

Algo no planeta não está certo.

Existe uma lenda triste e sangrenta que uma pequena parcela de pessoas no globo conhece. No entanto, quase ninguém acredita nela. Uma história contada há mais de três milênios, envolvendo magia e conhecimentos que ainda hoje povoam unicamente o imaginário das pessoas.

Uma lenda capaz de perturbar a vida e a ordem do planeta inteiro. E ela é real.

O máximo que os jovens Ian, Mabel, Higino, Norah e Rafaelo entendem de sobrevivência é o dia a dia na cruel fase do ensino médio. E os cinco, que são tão diferentes entre si, precisarão se reunir em uma jornada sem volta por revelações que envolvem suas famílias e um passado restrito da Terra. Uma jornada que será amarga para todos.

O Orbe Terrestre oculta mais lugares e seres do que se tem notícia. A magia não é algo sobrenatural. Ela sempre esteve entre nós. E os cinco jovens, diferentes entre todos, não terão direito de escolha em face da nova realidade.

A Ferida da Terra precisa ser contida.


Recado do Taverneiro: Esse post é um dos primeiros, onde eu ficava mais nas sombras e deixava o autor se apresentar, com um trechinho do seu trabalho. As coisas não são mais assim XD