A Demanda do Rei

          O bote atracou na praia, a poucas horas do sol tentar aparecer por sobre as nuvens espessas, o mar naquele dia estava estranhamente calmo e as pequenas ondas não ofereciam riscos para os crustáceos que andavam sobre a areia negra. A ilha onde eles aportaram era pedregosa e quase sem vida, herança de uma antiga erupção vulcânica que criara aquele pedaço de terra próximo ao continente de Elisa.
Ao escalarem as rochas afiadas, o grupo chegou ao cume do vulcão adormecido e de lá puderam ver a fortaleza circular dos magos, O Círculo dos Magos, como era comumente conhecido, outrora havia sido um local de grande poder e conhecimento, onde os sábios e magos de todo mundo buscavam o aprimoramento. Hoje aparentemente não passa de uma cidadela abandonada, mas continua sendo um lugar poderoso, misterioso e repleto de perigos, de suas paredes emana uma energia nociva e algumas criaturas do próprio necromante mantêm vigia sobre os muros e corredores dos círculos.

A construção milenar foi feita em forma circular; os círculos eram gigantescos e abrigavam a grande biblioteca dos Magos, além de salas para treinamento e jardins suspensos, havia também as acomodações dos magos e aprendizes, as três grandes construções eram cortadas por um caminho que se ligava ao passadiço e levavam ao continente. O maior abrigava os aprendizes e dignitários estrangeiros, no segundo ficava a grande biblioteca e o último somente os grandes mestres da época tinham acesso e podiam contemplar o conhecimento e poder contido naquele local.

Os guerreiros adentraram ao local e lá sentiram a energia os pressionar, o lugar estava corrompido e a magia vil seria mortal a outros, tudo estava decadente ou parcialmente destruído, os ossos e roupas esfarrapadas eram testemunhas que ali havia ocorrido um massacre, eliminando quase por completo os praticantes de magia do mundo conhecido. Os guerreiros avançaram e surpreenderam os lacaios do Necromante que vieram ao seu encontro; sucesso pelos primeiros opositores, seu objetivo era simples e audaz, e só a morte podia impedir de concretizar, chegar ao ultimo círculo e deter o necromante Vorlak. Arluz comandava o grupo que avançava incógnito, se ocultando ao máximo dos vigias que acompanhavam o movimento dos pátios entre os círculos, os cincos guerreiros chegaram ao primeiro objetivo, eles pararam em frente à porta do ultimo círculo, Arluz viu à sua frente uma pintura antiga que retratava a história de seu pai na Guerra dos Deuses, pouco abaixo um pergaminho flutuava pela mágica do local, sem pensar ele pegou o pergaminho e guardou, mesmo sem saber porque tinha feito aquilo ele volta a si mesmo e ao seu real objetivo, que o esperava por de trás daquela porta. Sua missão era suicida e corajosa, ali arriscariam suas vidas para tentar parar Vorlak e acabar com o avanço da guerra.

Arluz e seu fiel amigo Saul entraram primeiro na sala, o mago negro estava conjurando um feitiço sobre um corpo cadavérico, ao ser surpreendido ele revidou lançando seu poder descomunal sobre os guerreiros que desviaram a tempo, o necromante levantou os esqueletos e corpos pútridos que havia na sala, muitos eram dos grandes magos que tinham sucumbido para o mesmo Vorlak anos atrás quando tinha começado sua sede de poder que culminou com o massacre do círculo dos magos. Os guerreiros tiveram de se defender contra os cadáveres animados, que mesmo sem vida preservavam uma parte do poder que eles tinham quando ainda estavam vivos, e usaram de todo esse poder contra os guerreiros.

Enquanto os guerreiros estavam ocupados Vorlak se voltava novamente ao corpo que estava sobre uma mesa de pedra, o necromante drenou toda a energia transformando o corpo em pó; com dificuldade Arluz avançou desvencilhado dos conjurados, enquanto a voz retumbante do necromante ecoava pelas paredes do salão, uma onda de poder circulava pelos guerreiros e a escuridão os tomava, de repente, tudo ficou em silencio e apenas contra toda a escuridão que tomava a sala, a espada do rei brilhava de tanta energia, sendo o único ponto de luz numa batalha particular contra as trevas, o rei de muitas eras atacou e seu golpe foi certeiro, atingindo o necromante no peito rasgando a carne e expondo o coração inerte, o mago das trevas caiu e assim como seu mestre, os mortos-vivos caíram. Arluz olhou sua espada que estava coberta pelo sangue maldito do necromante, a luz parecia ser consumida pelo sangue pútrido, a sua volta o rei observou seus companheiros, Saul estava ferido porém se mantinha de pé, os outros pareciam bem ou melhor do que se poderia estar naquela situação.

Para surpresa de todos uma risada ecoou fúnebre e nefasta, e num piscar de olhos Vorlak estava de pé enfrente aos guerreiros, seu peito estava aberto e a ferida em seu peito tinha aspecto de podre, e que aos poucos ia regenerando deixando somente a grande cicatriz; os olhos do mago profano não tinham mais o brilho da vida e sim meramente o poder, e de sua boca descarnada saia um hálito frio e cortante que fedia a decomposição.

― Eu não posso morrer! Arluz, filho de Angelus ― a voz fantasmagórica entrou nas mentes dos guerreiros ferindo como se fosse agulhas quentes. ― pelo menos, não mais, não agora… não agora… ― o ser cadavérico parou e olhou para o rei. Sua voz subiu e trovejou ― Eu sou o próprio rei-necromante. Eu sou o Lich, eu sou o poder! E a minha fúria varrerá o mundo e a minha sede de poder será eterna como meus anos neste mundo, tudo e todos se curvarão diante de Vorlak, o Lich… Vorlak, o Profano.

A criatura bateu o cajado no chão e uma onda de energia vil tomou o lugar, e as paredes da sala começaram a ruir. O rei Arluz tentou seguir com o ataque, mas seus golpes foram repelidos, o salão começava a desmoronar, então Arluz olhou para o grupo e ordenou a sua retirada.

O rei ajudou o amigo Saul a se levantar e tentaram escapar daquela armadilha mortal, porém o rei-necromante, observando-os sadicamente, os ataca ferozmente; Saul, ao perceber o ataque, em um ato de bravura se jogou na frente da bola de fogo das sombras que se dirigia ao rei. O guerreiro caiu quase sem vida enquanto as colunas do salão se ruíam na frente deles, ele em último esforço pediu ao rei e grande amigo Arluz que fugisse, porém o contrariando o rei corre pelos corredores até alcançar o passadiço que unia a ilha ao continente. Já do lado de fora dos círculos em ruínas, o rei viu seus companheiros mortos e seus escudos partidos, diante deles seus algozes, os três generais do mago profano estavam à espera do rei: o Demônio das trevas, uma criatura feita da mais profunda escuridão e coberta por um véu de névoa que a acompanhava por todos os lugares, pouco se sabia sobre ele, e o pouco que se sabia era sobre sua força monstruosa e seu caráter dúbio, a Acolita Lhiz era a líder da seita que venerava o mago profano como um deus, outrora já fora uma grande rainha feiticeira acumulando poder por eras devido ao seu sangue élfico, porém a rainha se curvou diante de Vorlak, sendo hoje a mais devota serva do Lich, a única lembrança que ela carrega dos tempos de rainha é seu nome Lhiz, estrela de luz. Implacável ela comandava a elite do Exército Negro de Vorlak, os monges caçadores de magia. Já o Rei-Dragão Olecran, andava pelo salão do castelo do necromante, com sua forma avatar de meio-orc, com quase dois metros de altura e com grandes caninos amarelos a mostra.

Das ruínas Vorlak emergiu, a seu lado um cavaleiro negro caminhava, sua pele se desfazia a cada passo consumida pelo fogo, Arluz reconheceu imediatamente a armadura retorcida, era Saul. Seu amigo agora era um servo do necromante, de suas órbitas oculares o fogo ardia sem parar, parecia que o combustível era a própria essência da ira, os dois caminharam até onde o rei estava encurralado. O demônio das trevas examinou o novo guerreiro, por gostar do que viu, jogou para ele uma espada, o cavaleiro desembainhou a arma e quando o ar tocou a lâmina, o fogo negro tomou conta da espada envolvendo toda a arma.

― Você sabe por que eu avanço sobre tudo? Por que minha sede de conquista é insaciável? ― trovejou o Lich ― O porquê eu quero o poder, pelo poder. Eu quero ser um deus entre os vivos e os mortos. ― ele parou por um minuto completando sua força. ― Eu dominarei todo o mundo e todos se ajoelharão perante Vorlak, assim como a própria morte o fez. ― o mago profano estendeu a mão descarnada para Arluz.

― Ajoelhe diante de mim e tome parte do meu poder, nada nos quatro cantos de Enora será capaz de te ferir além de mim, filho de Angelus, tome seu lugar a meu lado e ajude-me a conquistar este mundo.

― Nunca! – repudiou Arluz, sem hesitar. ― Você será derrotado, ser maligno.

Vorlak caçoou do rei com uma gargalhada.

― Você teve sua chance, Rei de Etinas, logo o mundo se curvará diante do meu poder e meu nome será temido em todo o canto; eu serei o rei, o senhor de toda Enora. ― o Lich deu as costas para Arluz. ― Saul, mate seu antigo rei. ― Ordenou sem olhar para trás. ― Filho de Angelus, seu reino irá queimar e todos que ama perecerão sobre meu cajado.

O cavaleiro obedeceu sem questionar e atacou com toda a fúria, seus golpes pareciam um martelo de ferreiro contra o aço sendo moldado na bigorna. A Arluz restou se defender dos golpes incessantes daquele que agora era seu inimigo.

A cada golpe o rei era impelido para trás, ficando entre o inimigo e o penhasco.

― Pare Saul, meu amigo! ― tentou argumentar o rei em vão.

Porém a única resposta do cavaleiro negro era seus golpes cada vez mais fortes, o rei se defendeu como podia, mas os golpes eram incessantes e ferozes, o Cavaleiro Negro levantou sua espada, parecia colocar todo o mal e poder contra o seu antigo rei, e com um último golpe a espada do rei se quebrou e dela uma onda de luz se dissipou sobre eles; Arluz caiu do desfiladeiro para o mar que ainda estava calmo e silencioso como um cemitério abrigando mais um convidado da morte. Saul ficou parado com os olhos fixos no rei, contemplando sua queda e sua morte.

O monarca caiu no mar, com o impacto quebrou várias costelas, um braço e as duas pernas, uma dor lancinante o acometeu e o ar escapou dos pulmões, seu último pensamento o levou para casa, para o filho e sua esposa, as imagens escapavam de sua mente com a vida de seu corpo, a morte o envolvia em seus braços, mas o rei estava sorrindo. Porém antes de perder os sentidos ele pode escutar algo em sua mente.

― Hoje não meu amigo…


lagrimas de rhanor_capa

Autor: Daniel S. Lima

Wattpad: @DanielSLima

Facebook: Lágrimas de Rhanor

Blog: lagrimasderhanor.blogspot.com.br

 

Bom dia galera! O taverneiro aqui para trazer a vocês uma fantasia medieval clássica, escrito pelo Daniel Lima, que criou o mundo de Enora e o livro que vocês viram um trechinho acima, Lagrimas de Rhanor. O próprio Daniel falou um pouquinho aqui para nós do trabalho dele:

 

          Olá, me chamo Daniel S. Lima, tenho 34 anos. Bom, escrevo está história há cerca de dez anos, ela nasceu de uma partida de RPG, que eu mestrava para alguns amigos.

          Tenho me esforçado para melhorar o texto e dar mais profundidade aos personagens, estou postando no Wattpad a menos de 6 meses, e o livro chegou a marca de 5 mil leituras.

          Logo, logo estarei lançando esta história como E-book, pela Amazon.

 

O Daniel teve um ótimo ponto de partida nessa sua história de estreia, ele conseguiu trazer o épico e o divertido de uma mesa de RPG para as páginas do seu livro. ^^

Um pequeno adendo aqui, se você se interessa por escrever ficção, seja ficção fantástica, seja investigativo, vocês têm que considerar jogar RPG, é uma ótima ferramenta para criação e caracterização de personagem, se você é um jogador, e de criação de tramas, se você é um narrador. Sem falar que você vai ter a oportunidade de ver vários personagens diferentes, que não saíram só da sua cabeça, e sim de todos que estão ali na mesa com você, o que pode expandir muito a sua visão como escritor.

Enfim, se você curte fantasia épica, com muita magia e um mundo bem trabalhado, você deveria dar uma olhada no trabalho do Daniel. ^^

lagrimas de rhanor_banner2

Anúncios