Boa tarde galera! Tudo bem com vocês? Hoje eu vou falar um pouco mais sobre uma coletânea de contos muito legal com uma temática bem diferenciada, Estranha Bahia! Uma coletânea de contos de fantasia e ficção cientifica de alguma forma ligados a Bahia!

       Essa coletânea conseguiu chamar a minha atenção pelo fato de, na maior parte do tempo, vermos historias muito focadas ou nos países estrangeiros, ou no eixo Rio-São Paulo daqui no Brasil, e assim que eu vi fantasia e ficção cientifica na Bahia, eu pensei “cara, isso vale a pena ser lido. ” E eu não estava errado. ^^

       Eu vou usar a pequena sinopse de cada conto lá do site da coletânea, e aí dar o meu parecer rapidamente sobre a história e o autor (que por sinal, é um time muito bom!). Como o post ja ficou enorme, eu coloquei só os trechos de alguns contos.

       (Tenho que admitir que deu mais trabalho do que eu pensava fazer um post sobre uma coletânea. É como falar sobre um monte de livros ao mesmo tempo XD…)


Raças – Ricardo Santos

racas

       Numa Salvador do futuro, onde humanos e uma raça alienígena convivem abertamente, um policial humano investiga o assassinato de um criminoso alien.

       Esse conto foi um dos meus preferidos, ele mistura uma trama policial com ficção cientifica muito bem. O Ricardo introduz um mundo diferente do nosso sem ser de forma forçada, sem se prender a explicações longas, e ainda mostra que domina tanto o gênero policial como sci-fi. Vale a pena dar uma conferida nos outros trabalhos do Ricardo, que vocês podem ver melhor no blog dele:

ricardoescreve.wordpress.com


Canudos XXI – Isabelle Neves

       Na Canudos de 1997, cem anos depois do fim da famosa guerra, um menino tem de enfrentar a Morte para proteger as pessoas de sua comunidade.

       O conto acompanha a história de uma maldição antiga da própria morte que acaba caindo sobre esse garoto. A narrativa é bem peculiar, com tons de realismo magico e muitas cenas com um ar onírico, vezes tendendo para um pesadelo. É interessante, principalmente as conversas com a morte.

        E vocês podem conferir mais do trabalho da autora no Wattpad dela, onde ela está postando a história Anjos da Escuridão – A Primeira Face

@isabelle_neves


Enterrados a Respirar – Alexandre Cthulhu

enterradosarespirar

       Um turista português chega à Bahia para executar um assustador plano de vingança.

       A história mais visceral e densa dessa coletânea, na minha humilde opinião. A traição e vingança flertando com o oculto. Escrito muito bem pelo Alexandre, me lembrou o estilo do Chuck Palahniuk de escrever. Por sinal é o conto onde os temas fora da realidade são os mais suaves.

       Eu achei esse outro conto do Alexandre na amazona, muito legal.

Amazon – Alexandre Cthulhu

       E não custa nada apreciar a carreira dele como musico, que você pode conhecer mais aqui. ^^  Biografia – Alexandre Cthulhu


Joel das Almas – Evelyn Postali

joeldasalmas

       “Carnaval é algo para festejar e não poderia ser diferente. E eu que não me envolvia diretamente com as festividades acabei me afeiçoando. Afinal, o que fazer com o tempo ocioso senão celebrar o momento que se vive de uma maneira descontraída? Não é sempre que se tem a chance de sentir-se parte de algo realmente importante. Foi numa época de carnaval, aos oito anos, que meu destino selou-se depois de uma conversa séria com meu pai. Eu fecho os olhos e revivo a cena tão nítida como se estivesse acontecendo hoje.

— Isso é para você, Joel. — Ele entregou-me o colar de contas de cor turquesa, adornado também com conchas pequenas. Pendurado no cordão, tinha uma medalha de latão com umas inscrições estranhas e um pequeno saquinho de tecido grosso dourado, costurado com linha branca.

— O que são? Letras? — Lembro-me de como perguntei intrigado sobre os rabiscos na medalha. Se fossem letras, eram diferentes das que tinha aprendido na escola. Fugiam de minha compreensão. O semblante duro atenuou. Minha esperteza fez meu pai sorrir e fazer as rugas no lado dos olhos ficarem mais evidentes. O branco dos dentes perfeitos apareceu para me certificar da felicidade que ele sentia quando eu estava ao seu lado.

— Isso — mostrou-me indicando o pequeno embrulho. — É um patuá de Logunedé. Grande feiticeiro, ele carrega a terra e a água. É seu protetor. Ele é uma tríade. Três protetores em um, Joel. — Depois, virou a pequena peça de latão de um lado para outro. — Isso aqui é uma medalha, uma espécie de amuleto também. O que você vê nela são símbolos que nomeiam e representam o Arcanjo Miguel. Um sigilo. Michael Saday Athanatos Sabaoth. — As palavras foram ditas com calma. — Tudo isso é para guiar seu caminho e proteger você, filho…”

       Essa história é sobre um exorcista, alternando entre as lembranças do passado e um poderoso inimigo no presente. Adorei o conto, ela mistura religião afro com a cristã para fazer um, digamos, Constantine baiano XD, que ficou muito legal. A Evelyn já apareceu por aqui antes, e eu acho ela uma escritora talentosíssima, além de ser um amor de pessoa :). Eu estou lendo agora a promessa de liberdade dela, e está me deixando de boca aberta, já já vai ter um post dele aqui no blog.

       Vocês podem acompanhar melhor o trabalho dela em vários lugares: no Wattpad, no Blog Pessoal dela, podem ver alguma história dela na Amazon.


O Profeta do 666 – Tarcísio José da Silva

profetado666

       Um homem tem de lidar com o horror e o erotismo no quarto de uma velha pensão.

       Um homem no quarto 666 é visitado por bestas e cavaleiros, ele é levado a registrar tudo, exatamente como vê. Sem sair do quarto, ele vai encontrando personificações do mal e sadismo, sempre mantendo o tom de profecia. Interessante.

       Sobre o autor, eu não consegui achar nada dele. Sério, nada! É como se ele não existisse, a única citação que eu vi dele foi em uma biblioteca antiga, no rodapé de um livro em alguma língua parecida com hebraica, escrito com algo da cor de molho barbecue…

       Brincadeira XD, ele tem um blog também, e você pode dar uma olhada no trabalho dele lá.

livroscia-gulliver1975.com.br


Em Busca da Disgraça da Pedra Azul – Cristiane Schwinden

       “Filipa caminhava lentamente pelos corredores de estantes, procurando pela seção de história do Brasil. Encontrou-a no final da sala.

Corria os dedos pela lombada dos livros, lendo com a cabeça inclinada de lado, compenetrada.

— Achei vosmecê! — Uma voz grossa bradou ao seu lado.

Filipa deu um pulo assustada, soltando um gritinho.

Um homem alto, de pele negra e lábios grossos, a encarava sorridente. Ele usava uma camisa branca de algodão. Ao invés de botões havia cordões transpassando os pequenos furos. Em cada pulso havia um grilhão de metal, ainda com alguns elos de corrente presos. E estava descalço.

— Shhhh, seja discreta, senhorinha — o homem falou, aproximando-se.

— Você me conhece? — Ela o olhava, espantada.

— Agora sim. Meu nome é Agenor, homem livre desde 1876, ao deu dispor. — Ele curvou-se numa reverência.

Filipa, já recuperada do susto, o fitava dos pés à cabeça.

— Você tá fazendo algum cosplay de Escrava Isaura?

— Isaura? Eu conheci uma Isaura, mas ela também era uma mulher livre.

— Já sei, tá rolando uma peça de teatro sobre a história do Brasil aqui por perto. Você é ator? Porque se tiver rolando eu adoraria ver, me pouparia de algumas horas de estudos para a prova de quinta-feira.

— Senhorinha, nosso tempo é curto, portanto ouça com atenção sobre sua nobre incumbência.

— Quê?

— Vosmecê precisa encontrar a pedra azul antes que o grande Melvin a encontre.

Filipa apenas o observou, muda.

— Pela sua expressão imagino que não saiba do que estou falando — Agenor continuou.

— Pedra azul? Acho que você está me confundindo com alguém, eu não vendo crack.

— Escute, painho me avisou que eu teria sua incredulidade num primeiro momento. Então ele autorizou que eu usasse o pó de sacandúvia em vosmecê.

— Pedra, pó… Moço, não tenho tóxicos, então eu acho… — Agenor a interrompeu, soprando um pó brilhante na direção do rosto de Filipa.

— Pode ouvir o restante das orientações agora? — Ele indagou, guardando o pequeno saco verde aveludado no bolso.

— Sou toda ouvidos.

A própria Filipa achou estranhou ela concordar com o velho tão facilmente. Ela piscou algumas vezes. Ela viu pontinhos brilhantes bem na sua frente se apagarem.

— Melvin, o feiticeiro de Alfotrix, fugiu das profundezas da Chapada Diamantina ontem e saiu numa busca implacável pela pedra azul. E vosmecê sabe o que ele poderá fazer com esta pedra?

— Sei não — ela respondeu ingenuamente.

— Transformar pessoas em zumbis.

— Tipo The Walking Dead?

— Não sei o que é isso, mas ele teria um exército de zumbis obedientes apenas às ordens dele.

— Por que não guardam essa pedra azul num cofre de banco?

— Não sabemos onde a pedra encontra-se. Precisamos da sua ajuda, precisamos que um mortal faça essa busca.

— E eu sou a escolhida? Tenho algum poder mágico?

— Ahn… Na verdade, não.

— Por que você tá me dando essa missão então, misera?

— Painho foi com sua cara. Quem você acha que jogou aquele raio no poste em frente à sua casa?

— Diga a painho que agradeço a preferência. Agora me fale por onde começo essa busca. Se eu me retar, largo de mão e vou estudar pra minha prova.

— Ladeira do Curuzu, casa número cinquenta.

— A pedra está lá?

Agenor riu, expondo seus belos dentes.

— Quem dera. Esteve lá por muito tempo. Mariano, o guardião, a mantinha em sua casa sem maiores receios, porque Melvin estava preso. Quando sentiu que sua morte estava próxima, ele guardou a pedra em outro lugar e não nos disse onde. Mas como Mariano era um grande contador de anedotas, acreditamos que ele tenha deixado enigmas que levem até o paradeiro final da pedra. Esta é sua missão; seguir e desvendar os enigmas…”

       O mais baiano dos contos! Uma aventura acelerada e divertida, de 2 jovens tentando evitar o surgimento de um antigo mal….

        A autora Cristiane usa muito a cultura da Bahia, desde a religião, até história antiga e atual, forma de falar, enfim, tudo. É um divertido passeio pela Bahia, tanto fisicamente quanto culturalmente, e culminando em uma cena irada no maior estilo high fantasy. Muito recomendado.

       Ela também tem um blog muito legal onde você pode ver mais sobre seus outros trabalhos:

schwinden.com.br


Quibungo – Rochett Tavares

quibungo

       Na Bahia do séc. XVII, um escravo fugido se alia a um misterioso guerreiro maia. Eles são perseguidos por um implacável capitão-do-mato e seu bando, enquanto buscam artefatos místicos que estariam na entrada para o reino dos mortos, a partir de um mapa tatuado na carne do maia.

       A história de dois guerreiros, um do povo maia e outro negro, ambos tendo seus povos esmagados pela invasão do homem branco, eles dois se juntam para achar nos ermos e antigos templos maias uma forma de livrar o seu povo da opressão do homem branco, só que coisas antigas ainda habitam esses lugares…uma aventura muito legal, me lembrou os contos de Robert E Howard.

Vale a pena dar uma olhada no trabalho dele, muito bom esse rapaz! ^^

rochetttavares.blogspot.com.br


       Enfim, recomendadíssimo essa coletânea, tanto pelos contos, quanto para conhecer os escritores talentosos que participaram dela. Vocês podem dar uma olhada mais profunda no site da antologia, que contem muito mais material, inclusive uma entrevista com cada autor. E também tem a página do facebook deles, é claro.

antalogiaestranhabahia.wordpress.com

facebook.com/estranhabahia

E o livro está baratissimo na Amazon:

Estranha Bahia – Amazon

estranhabahia