Minha filha está sangrando demais, estou desesperado.

Definitivamente, não deveria ter cortado a jugular.

– Microconto IV

Boa noite povo! Tudo bem por aí? Hoje vou trazer uma resenha de um livro de contos bem curtinho do autor Igor Dmirkutska. Bibliofobia: Contos Macabros reúne seis contos de terror e microcontos entre cada um deles. É um livro bem curtinho e bem bacana.

Os contos do livro não seguem nenhum padrão narrativo, só compartilhando o clima sinistro mesmo. Ainda existe cinco microcontos entre cada um dos contos maiores, e eles são ótimos!

A escrita do Igor é boa, de maneira geral. Eu encontrei algumas coisas estranhas que me fizeram pensar em um erro de tradução, mas como o autor é brasileiro isso não faria sentido nenhum XD. Enfim, esses pequenos incômodos não são suficientes para estragar nada, e a escrita desse livro ainda tem sua beleza em frases bem feitas e boas descrições de ambiente.

O clima dos contos variam entre terror e algo mais estranho, “creepy” como o próprio autor chama. Ele utiliza a criatividade para criar situações esquisitas e desconfortáveis e é ótimo em fazer isso. No meio disso, ainda consegue deixar tudo com um gostinho bem brasileiro, o que é a cereja do bolo. 🙂

O principal problema que eu vi é o mesmo problema que o conto Uma Noite Qualquer teve aqui, que é o excesso de coisa. Isso pode ser uma questão de gosto, mas eu acho que um conto tem que ser direto e aqui o Igor se perde um pouco nas descrições. Peca pelo excesso, o que acabou deixando a leitura um pouco arrastada para mim em alguns momentos. Faltou uma boa enxugada ali no texto, na minha opinião. Ainda assim eu gostei, mas poderia ter gostado bem mais.

Eu vou falar rapidamente de cada conto para vocês terem uma noção melhor do que vão ver.


Imaginário

“Mas silencio transcorreu no embate entre homem e coisa, do qual George, sem jamais haver nutrido qualquer esperança, saiu perdedor. O olhar que nunca cessava não lhe concederia sequer um breve pestanejar. ”

Um homem atormentado pelos seus pecados que se personificaram em uma coisa que o encara das sombras.

Conto de abertura do livro, pode ser encontrado tanto no wattpad quanto aqui na taverna! ^^


Páginas Perdidas

Uma senhora esconde as páginas de um antigo tomo ancestral conhecido como o Livro de Alcamorrã, mas cedo ou tarde alguém ia acabar encontrando ela.


Ponteiras Brancas.

“— Não espera que eu traga de volta os mortos, espera?

— Seria muito bom se pudesse, mas não. — Ramires respondeu com um sorriso. — O que eu quero são os sapatos de ponteira branca dessa fotografia, os sapatos que meu pai usava. ”

Um traficante de renome que deseja uma velha lembrança de volta vai até um homem que diz conseguir tudo, mas acaba envolvido com coisas no passado desse homem muito piores do que ele viu em sua vida de crimes.

O melhor conto na minha opinião, e o que mais sofreu do excesso de palavras.


Passagem de Volta

“— Sete anos. — Ela corrigiu — O avião caiu há sete anos.

— E como é que a senhora sabe disso?

— Quem sabe se parar de me chamar de ‘senhora’, eu resolva te responder.

Tobias revirou os olhos em reprovação.

— E como é que você sabe disso?

— Eu sei disso porque estava nele quando caiu. ”

Uma garota busca o local onde aconteceu um acidente grave no seu passado. De alguma forma aquilo parece persegui-la todo esse tempo, mas algumas coisas têm que continuar no passado…


Usurpador

“Inundado em perguntas que relutava em se fazer, o homem mal ouviu o distante grito que infestou a avenida de terror, só despertando de seu transe quando o primeiro esbarrão de um transeunte o fez levar a mão ao coldre. Sem muito refletir, logo reconheceu o pequeno aglomerado que começava a se formar mais adiante e, apressado, seguiu em sua direção. Com pesar, constatou, ao chegar, que nenhum de seus anos na polícia o teria preparado completamente para a cena com que se deparara. ”

Um policial acaba envolvido em conflito entre imortais amaldiçoados.

Esse deve ser o conto mais fora do eixo do resto do livro, beirando a fantasia XD. Aqui ele apresenta essa informação por traz de uma maldição que liga duas pessoas a imortalidade, uma delas considera isso uma benção, e a outra uma maldição.

“Você se surpreenderia com a quantidade de coisas que se pode fazer com partes humanas. “


A Tenda do Cacique

“— Todo o Brasil é nossa terra, pequeno Bruno. Não importa quem se intitule no poder, aquele que não conhece sua terra e seu povo governará de mãos vazias. ”

Um velho cacique ensina suas tradições a um jovem aprendiz, quando um delegado vem atrás das habilidades do homem para tentar acobertar sujeiras do passado.

Esse conto é o mais “brasileiro” entre todos, e tem um final ambíguo. Eu curti bastante como toda a cultura indígena foi tratada aqui.

“— Em primeiro lugar, Bruno, Tupã não é um deus. Ele é a emanação mística da voz e da vontade do grande deus Iamandu. Quando ele fala, sua voz é ouvida em toda a terra pela força do trovão e seu poder é visto pela luz do relâmpago. Tupã é a vontade do deus maior de que os ventos soprem e a chuva caia, assim como Iara é sua vontade de que os rios corram e as ondas fluam e Caipora de que as plantas cresçam e os animais se multipliquem. – Explicou – Então, quando você se concentra em um dia de grandes ventos e deseja que eles se apaziguem, nada mais está fazendo do que se conectando a esta energia universa que é Iamandu e pedindo humildemente que contenha as tormentas. Está entrando em contato com o anhã dos vendavais e clamando moderação.

–Tupã então é como um Espírito Santo?

Outro suspiro decepcionado.

–Sim, Bruno, é levemente parecido. ”

 

Enfim, esse é um ótimo ebook, é um livro pequeno e muito interessante. Mesmo alguns problemas de ritmo ainda é uma excelente aquisição! ^^

Se vocês quiserem saber mais sobre o autor Igor Dmirkutska, ele tem uma conta no wattpad com diversos textos e também tem outro livro, o Senhores do Anoitecer: Lua de Sangue. E vocês podem achar o bibliofobia baratinho na amazon também. 🙂

Formato: eBook Kindle
Número de páginas: 71 páginas

Bibliofobia na Amazon!

bibliofobia