Um índio brasileiro enfrentando vikings! É assim que começa esse pequeno livro de fantasia e aventura do autor Roberto de Souza Causo e lançado pela Devir.

O índio Tajarê é o escolhido da natureza. Ele é o guerreiro que terá de impedir uma força maligna de trazer a tona uma entidade muito perigosa que esta aprisionada em algum lugar da floresta. E quem personifica esse mal é a Sjala, sacerdotisa de Loki, que desembarca na praia com sua equipe de guerreiros vikings!

Assim começa essa história. Muito inspirada em Robert E. Howard e no estilo pulp de antigamente. O autor cria uma espécie de sword and sorcery em território nacional, com uma fantasia mais contida e um herói guerreiro e machão.

A construção desse mundo é muito bacana. O autor mistura várias mitologias com um tom de ficção histórica muito bem. Ele basicamente estabelece um mundo onde todas as mitologias são reais, embora sejam utilizadas mais a do Brasil e a nórdica (a prisão de loki fica em algum lugar da floresta amazônica!), além de também dar uma pincelada em diversas outras lendas (como Atlântida e a Cidade das Amazonas).

sombradoshomens (3)

E os personagens que habitam esse mundo também são bem peculiares. O livro alterna entre o ponto de vista de Tajarê e o da sacerdotisa de Loki, a Sjala.

Tajarê é um índio guerreiro. Ele foi escolhido para lutar pela floresta e defende-la dessa ameaça estrangeira, mas por ser um homem pacífico, ele não gosta quando é chamado para a guerra. Quando o ponto de vista da história está com ele, o autor decidiu deixar a linguagem simples tentando simular uma fala com um sotaque indígena. Isso é interessante e foi bem feito, mas ainda assim ver tanta repetição do nome do protagonista, entre outras coisas, me incomodou um pouco no início, mas lá para o meio do livro eu já nem reparava mais nisso.

Sjala é uma sacerdotisa de Loki, que veio aqui com a missão de libertar o seu deus da prisão, só que ela é impedida por Tajarê e sequestrada por ele. E, no maior estilo a Bela e a Fera, ela vai desenvolvendo síndrome de Estocolmo e se apaixona pelo seu sequestrador, e começa a vê-lo como um protetor. Isso faz com que Sjala se encontre em uma situação difícil: Continuar sua missão para Loki ou se manter na tribo.

sombradoshomens (4)

Toda a narração do livro é bem visceral. Não existe glamourização das coisas que estão acontecendo. Violência e sexo são tratados de um ponto de vista muito neutro, deixando com um tom de normalidade essas coisas, o que lembra muuuuito as antigas histórias do Conan, por exemplo, que por sinal é uma das maiores influências na narração e criação do mundo de Tajarê.

O livro é curtíssimo e é dividido em quatro partes, o que dá um ritmo muito bom para a leitura. Uma obra divertida, rápida e cheia de aventura. Para os fãs de Conan e todas as antigas histórias de sword and sorcery, é uma bela aquisição. ^^

Capa comum: 120 páginas
Editora: Devir (1 de janeiro de 2004)

Link de compra da Taverna:  Amazon

sombradoshomens (1)