Por que você escreve Contos?

Melhorar a habilidade escrita costumava ser uma das minhas primeiras respostas; outra justificativa frequente era a de experimentar novas narrativas, estilos e gêneros. Com o passar do tempo, descobri que, apesar de tudo isso ser verdade, a resposta era muito mais simples: escrevo contos porque gosto e isso me deixa feliz.

Stephen King sempre foi uma de minhas maiores referências. Ao receber “O Bazar dos Sonhos Ruins” como presente de aniversário e ler a orelha do livro, tive o prazer de me deparar com o seguinte texto:

Você ficaria surpreso com a quantidade de pessoas que me perguntam por que eu ainda escrevo contos. O motivo é bem simples: escrevê-los me deixa feliz, porque nasci para entreter.

Mas há algo especial nas experiências mais curtas e mais intensas. Podem ser revigorantes, às vezes até chocantes, como uma valsa com um estranho que você nunca mais vai encontrar, ou um beijo no escuro, ou uma bela raridade à venda sobre um lençol barato em um bazar. E, quando minhas histórias estão reunidas, sempre me sinto como um vendedor ambulante, um que só vende à meia-noite. Exibo minha mercadoria e convido o leitor (você) a escolher o que quiser. Mas sempre acrescento uma advertência: cuidado, meu caro, porque alguns desses objetos são perigosos. São aqueles que têm sonhos ruins escondidos dentro, os que não saem da sua mente enquanto o sono não chega, e você se pergunta por que a porta do armário está aberta se você sabe perfeitamente bem que a fechou.

Então, aqui estão as mercadorias, querido Leitor Fiel. Talvez você queira comprar algum dos meus produtos agora, não? Tudo que você vê foi feito à mão, e apesar de eu amar cada um deles, fico feliz em vendê-los, porque os fiz especialmente para você. Fique à vontade para examinar todos, mas tome cuidado, por favor.
Os melhores têm dentes.

Animado por compartilhar da mesma motivação para escrever, comprei todos os produtos rapidamente. Posso afirmar que é verdade, os melhores têm dentes e mordem, nada fora do esperado para quem conhece King. A coletânea traz tanto histórias inéditas quanto já publicadas. Cada conto é precedido de um texto curto, que fala sobre elementos que serviram de inspiração para que fossem escritos; quem já acompanha o trabalho do autor encontrará nesses textos motivação adicional para  a releitura dos contos já conhecidos.

Cabe acrescentar que, ver uma coletânea de Contos tendo uma repercussão tão boa é animador. Minha esperança é que livros como esse façam com que mais autores e leitores invistam em contos, principalmente aqui no Brasil. É notório que Romances são quase uma unanimidade, mas já tivemos a chance de ver um livro de Terror como O Vilarejo (Raphael Montes) ganhar destaque no cenário nacional. Que venham outros!

Links de Compra da Taverna: Amazon / Saraiva / Submarino

images.livrariasaraiva.com.br


Nós da Taverna estamos fazendo nossa parte. O Blog, além de promover uma coletânea e trazer sempre contos de autores nacionais, já possui três séries próprias de contos:

Sangue Brasileiro (em andamento) – Contos de Terror ambientados no Brasil. Lendas urbanas, crimes e outros.

Bar Taverna (em andamento) – Contos fantásticos que se passam no nosso bar. Stephen King já nos visitou!

O Mago e o Guerreiro (Finalizado e publicado na Amazon) – A arte de escrever ganha vida quando o Mago e o Guerreiro se unem em uma jornada para encarar os desafios de quem resolve contar histórias através da escrita. Dez contos curtos retratam dificuldades enfrentadas por escritores iniciantes e as batalhas travadas para superá-las.

E fica firmado aqui o compromisso, podem aguardar por muito mais!