Leitores experientes sabem quais palavras podem ser ignoradas. Você não precisa ler todas as palavras de um livro para conseguir entender a ideia principal. Mas como saber quais podem ser ignoradas? Para isso, você precisará se fazer a seguinte pergunta: por que estou lendo esse livro?

Se o propósito de sua leitura é acompanhar uma boa história, é possível ignorar algumas palavras desconhecidas sem maiores problemas. Quanto menos interrupções no fluxo de leitura você tiver, mais forte será o ritmo que conseguirá estabelecer e maiores serão as chances de se manter motivado para levar a leitura até o fim. Não deixe que o fato de não saber o significado de algumas palavras roube o prazer da leitura.

Agora, se você, além de disso tudo, quer expandir seu vocabulário, foque nas palavras desconhecidas recorrentes. Essas são as palavras que você ainda não sabe o significado, mas aparecem tantas vezes no decorrer da história, que despertam de maneira natural sua curiosidade. Essa técnica evita pausas  para pesquisar o significado de palavras que, por não se repetirem com frequência, você acabará esquecendo.

Ainda não está convencido de que ignorar algumas palavras possa ajudar? Que tal usarmos um exemplo? O trecho abaixo foi retirado da primeira página de Harry Potter e a Pedra Filosofal:

O Sr. Dursley era Diretor de uma firma chamada Grunnings, que fazia perfurações. Era um homem alto e corpulento quase sem pescoço, embora tivesse enormes bigodes. A Sra. Dursley era magra e loura e tinha um pescoço quase duas vezes mais comprido que o normal, o que era muito útil porque ela passava grande parte do tempo espichando-o por cima da cerca do jardim para espiar os vizinhos. Os Dursley tinham um filhinho chamado Dudley, o Duda, e em sua opinião não havia garoto melhor em nenhum lugar do mundo.

Vamos pegar o mesmo trecho e ignorar o máximo de palavras possível sem excluir o propósito principal do parágrafo, que era de apresentar personagens:

O Sr. Dursley era Diretor de uma firma. Era um homem alto. A Sra. Dursley era magra e loura. Os Dursley tinham um filhinho chamado Duda.

Mas, Diogo, olha quanta informação você deixou para trás! São trechos importantes para a construção das personagens… sim, eu sei. Muita coisa foi perdida, mas tentei excluir o máximo de palavras para que alguém com conhecimento básico de Inglês possa ter uma ideia geral do parágrafo. Quer ver? Vamos ao trecho em Inglês:

Mr. Dursley was the director of a firm called Grunnings, which made drills. He was a big, beefy man with hardly any neck, although he did have a very large mustache. Mrs. Dursley was thin and blonde and had nearly twice the usual amount of neck, which came in very useful as she spent so much of her time craning over garden fences, spying on the neighbors. The Dursleys had a small son called Dudley and in their opinion there was no finer boy anywhere.

Agora vamos ignorar palavras mantendo a ideia principal:

Mr. Dursley was the director of a firm. He was a big man. Mrs. Dursley was thin and blonde. The Dursleys had a small son called Dudley.

Viu? Qualquer um que saiba o básico sobre verbos no passado em Inglês será capaz de entender.

Mas por que usar um exemplo tão exagerado? Justamente para mostrar que é possível ignorar palavras e ainda assim entender bastante do que foi dito. Obviamente, quanto mais você conhecer a língua e praticar, menos precisará ignorar. É um processo que leva tempo, mas resulta em um número cada vez menor de palavras ignoradas, já que a tendência é de que o leitor expanda cada vez mais seu vocabulário.

Volto a dizer que o seu intuito ao ler o texto vai ditar quais palavras serão ignoradas ou não. O importante é que, no fim das contas, você consiga atingir seu objetivo sem sentir aquela frustração por não entender todas as palavras que ali estão. A leitura como qualquer outra habilidade, precisa de prática para ser desenvolvida e aprender a lidar com as dificuldades encontradas é crucial.

Gostou? Não deixe de ler os outros artigos sobre ler em Inglês:

Ler em Inglês – Básico

Ler em Inglês – Expressões Idiomáticas

Assista também ao vídeo sobre o artigo no canal da Taverna: