Olá, caros viajantes!

Hoje, temos a resenha de uma obra internacional de Dark Fantasy muito bem comentada no Brasil nos últimos anos. Devo dizer que somente li este primeiro livro. Portanto, algumas impressões deverão mudar conforme eu leia os próximos da saga.

Peçam suas bebidas, e me acompanhem.


Prelúdio

Para as resenhas, adotarei o seguinte formato:

I) Reflexão:

Farei uma breve análise e meditação sobre os temas abordados no livro.

II) Resenha:

Irei abordar as seguintes construções do livro:

1) Narrador;
2) Personagens;
3) Enredo;
4) Sistema de Magia.

III) Conclusão;

Uma opinião final sobre a obra.

∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴

Livro: O Protegido.
Autor: Peter V. Brett.

∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴

Reflexão

O que é vida? Em particular, o que é a morte?

É comum, em nossa cultura, a morte ser associada ao sofrimento, seja da pessoa que morre, seja das pessoas ligadas a ela; contrário à vida, que frequentemente é considerada um bem supremo. Se formos para um sentido mais biológico, diríamos que a vida é o período no qual se inicia o funcionamento do metabolismo (um conjunto de transformações químicas), e a morte, no qual se encerra. Quanto mais procurarmos e refletirmos, percebemos, certamente, que é difícil chegar a uma conclusão, mas podemos perceber um significado muito mais amplo para “vida” do que para “morte”.

Mas, ora, temos alguma certeza maior do que a morte? E se fôssemos colocados em um local onde a certeza da mesma é muito maior do que a do próprio nascimento? Peter V. Brett não somente aborda temas e questionamentos como estes, mas também todas as situações que circundam o que chamamos de morte.

Somos apresentados a uma terra sem vida. Não sem vida pois não há humanos, mas porque as esperanças já se foram quase que por completas: a morte faz parte do dia-a dia. Além disso, temos também o medo da escuridão da noite. A escuridão faz questionar o quanto não conhecemos mesmo o que está diante de nós, e que não temos poder algum sobre o desconhecido.

Seria a morte a ausência de vida?

∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴

Resenha

1) Narrador

Peter adota a forma de narrador em terceira pessoa limitada, variando o ponto de vista (POV) do personagem por capítulo ou partes. Mesmo por se tratar da primeira obra de uma pentalogia, é possível notar a escrita madura de um autor que publicou sua primeira obra (a abordada em questão) somente aos 35 anos de idade.

Cada capítulo acompanha a história de um personagem, variando entre os três protagonistas da obra: Arlen, Leesha e Rojer. Além disso, cada parte retrata um pedaço da linha do tempo, mostrando não somente a evolução dos personagens, mas como da própria narrativa.

2) Personagens

Como abordado no tópico anterior, a cada capítulo iremos acompanhar um dos três personagens e os acontecimentos ao seu redor. Além dos protagonistas, temos coadjuvantes marcantes. Temos, também, personagens femininas fortes e incríveis, podendo citar a Bruna (minha preferida, hahaha) como uma delas. Acho válido dizer que mesmo por se tratar de uma Dark Fantasy Adulta, um ponto fraco da obra são algumas conversas supérfluas e até infantis, que não (ou pouco) acrescentam à obra. Mas, fora estes casos, temos uma ótima construção dos personagens principais, com backstories que nos fazem questionar se não estamos lendo um retrato pessoal de acontecimentos do cotidiano em nosso planeta. Acredito que uma maior maturidade será apresentada nos livros por vir, além de novos personagens fantásticos.

Um ponto interessante a ressaltar: dizem que somente quando odiamos ou amamos um personagem é que o autor demonstra seu verdadeiro talento na construção dos mesmos. Brett conseguiu despertar isso em mim com maestria!

3) Enredo

O mundo não é o mesmo. Há tempos, espera-se o fim dos chamados Terraítas (os demônios da história), que aparecem todas as noites assim que o sol se põe.

Com essa narrativa base, são trabalhados temas de família, medo, aceitação e confronto. Em especial, Peter trabalha o conceito de amizade e conexão, com um gostinho de que “nada é por acaso”. Temos uma construção de mundo (world building) fantástico, cheio de detalhes, mistérios e histórias que nos situam onde estamos e explicam bem como chegamos lá. Religião, regras de conduta, profissões… todos esses pontos nos mostram como o mundo é rico, e digno de tirar o chapéu por tamanha imaginação! Por fim, acompanhando as cenas de cada capítulo, temos alguns flashbacks que ajudam a compreender, com mais profundidade, os personagens e o mundo.

4) Sistema de Magia

Estavam achando estranho eu ainda não ter comentado sobre o sistema de magia, né? Hahaha.

Pois bem, caros viajantes, guardei a cereja do bolo para o final. QUE SISTEMA! Peter realmente me conquistou com o sistema de Proteções. E, por conta disso, não abordarei nem um mínimo detalhe acerca dele. Degustem-no durante a leitura!

Sério… o sistema é fenomenal. Entrou facilmente no meu Top 3 de obras de Fantasia que li até hoje!

∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴∴

Conclusão

Trata-se, realmente, de uma obra que faz jus aos comentários que li e ouvi nos últimos tempos. Se procura por uma saga que possui um sistema de magia diferenciado, recomendo sem dúvida alguma. Apesar de algumas falhas já citadas, posso dizer, sem medo de ser feliz, que Peter V. Brett é um dos grandes nomes da Literatura Fantástica do século XXI.

“EXISTE LUZ NA ESCURIDÃO.”